Skip to main content

Erros que os alunos cometem na hora dos estudos.

Estamos nos encaminhando para o final do ano letivo. O primeiro passo para 2016 é fazer um planejamento com gestores e educadores, avaliando o ano de 2015 e estruturando a gestão pedagógica para o ano que vem. É um momento importante para a escola, que precisa enxergar o futuro e refletir sobre o passado.

Nem sempre podemos controlar a vida dos alunos fora do ambiente escolar. Porém, algumas dicas e ensinamentos podem fazer parte da rotina da instituição de ensino para auxiliar os estudos fora dela. Você sabe identificar e solucionar os principais deslizes que costumam atrapalhar o estudo de seus alunos fora da escola? É sobre isso que conversamos hoje.

Ritmo

Não reforce ideias sobre horários de estudo. Se o aluno costuma dormir cedo, por exemplo, ouvir que “estudar a noite é mais produtivo”, pode não funcionar para ele. Quando o adolescente ou estudante não cumpre o que planejou, a autoestima baixa e leva junto o rendimento. É importante que cada aluno conheça o seu ritmo e adapte o seu tempo de estudo.

Estimulantes

“Café é ótimo para ficar acordado”. Sim, essa informação está correta. Mas não diga para seu aluno só a primeira parte da história. Uma xícara de café até quatro vezes ao dia funciona como estimulante. Em grandes quantidades dificulta a concentração prejudicando os estudos.

Estudo, somente.

Só estudar é cansativo e passar noites em claro não faz de ninguém um bom aluno. Sem pelo menos 6 horas de sono por dia, boa parte do que foi estudado vai embora. Promova na sua instituição atividades extracurriculares ou momentos de “folga” para relaxar e jogar conversa fora. É bom para o rendimento escolar e para melhorar o ânimo dos alunos.

Não force a barra.

Sem motivação, seu aluno não terá sucesso nos estudos. Passe a ideia de que a escola envolve esforço e compromisso, mas também dê motivos para seu aluno querer aprender o que está à sua frente.

Levar dúvida para casa.

Às vezes, o ritmo da aula é tão intenso que o educador não deixa espaço para perguntas, ou alunos sentem-se envergonhados por parar a aula para tirar uma duvida. Isso é ruim para ambos. Se o aluno não entendeu algo, todos os educadores precisam estar abertos à perguntas. Um conceito não compreendido em química, por exemplo, pode aparecer em uma aula de biologia. Nesse momento é importante que o aluno sinta segurança para interromper a aula e perguntar.

A escola continua sendo importante mesmo após seu horário de funcionamento. É fundamental que educadores e gestores auxiliem os alunos nos estudos em casa para ter mais rendimento dentro da sala de aula.  

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *